AIESEC Experience

“Olá! O meu nome é Manoel Cirne, sou Brasileiro, tenho 22 anos, estudo Economia no ISEG e por volta de meio do ano passado, decidi fazer um Global Talent de curta duração, na área de vendas e essa decisão levou-me a Kyiv, capital da Ucrânia durante 6 semanas.

Foi tudo muito rápido, não sabia o que escolher fazer durante os meses de verão que tinha disponíveis, se fazia um estágio em Lisboa, se viajava pra algum sítio novo ou se voltava para o Brasil. E no meio de tudo isso, surgiu-me o Global Talent que uniu a minha vontade de melhorar o meu currículo com a minha paixão por viajar e em pouco tempo eu já estava aprovado para ir de experiência em uma startup do outro lado da Europa.

Nos dias anteriores à experiência eu não consegui pensar muito sobre as próximas 6 semanas, estava no meio de exames no ISEG, a fazer uma mudança em Lisboa, e quando finalmente fiz a mudança e tive o meu último exame, era hora de embarcar, sem experiência alguma em vendas e sem saber o que  iria fazer no meu dia-a-dia.

Nos primeiros dias, antes de começarmos a trabalhar, tivemos uma preparação feita pela AIESEC local com todos os outros estagiários, do mundo inteiro e isso foi incrível para podermos conhecer um pouco mais tanto da cultura de cada um, como do país em que estávamos.

Após alguns dias, comecei o meu trabalho em uma startup chamada Tranzzo, que consistia em oferecer serviços de processamento de pagamentos online para websites de empresas, ou seja, sabem quando vão fazer uma compra em um site e na hora do pagamento és redirecionado para outra página? Tipo um Paypal? Pois é, essa era a Startup em que eu fiquei, e o meu trabalho consistia em procurar empresas que se encaixavam no nosso público-alvo (sites com alto índice de transações) e oferecer os nossos serviços. Nesse processo todo eu utilizava muito o Google, para pesquisar as empresas, o Linkedln, para contactar as pessoas dessas empresas e o Excel, para fazer tracking daquilo que eu fazia e tinha que fazer. Tudo isso acompanhado de um mentor, que se sentava ao meu lado e me ajudava com tudo aquilo em que eu tivesse dúvidas. Mesmo assim, eu tinha total autonomia no que fazia e não estava simplesmente a seguir ordens, estava a aprender.

Portanto, o meu dia-a-dia era ir para o trabalho por volta das 8h, trabalhava até as 13h, almoçava com os meus colegas (estagiários e ucranianos), trabalhava de novo até as 16h, voltava para casa, tinha reuniões e ia jantar e sair com os vários amigos que fiz durante esta experiência e que tenho contacto quase que diário, até hoje, mais de um ano depois.

Quando regressei confesso que foi difícil readaptar-me, estava de férias, mas sem a rotina intensa que tinha e que por mais cansativa que pudesse parecer, eu estava a amar, pois sentia-me útil, conheci várias pessoas e mais importante, desenvolvi-me. Gostei tanto da experiencia que tive dentro daquele ambiente de trabalho que ainda mantenho contacto com meus antigos colegas ucranianos e através disso, quase um ano depois, um lead que eu tive durante a experiência contactou-me a perguntar se eu ainda trabalhava lá e disse que queria utilizar a nossa plataforma. Portanto, um ano depois aquilo ainda tinha conexões comigo e consegui fazer uma venda e ajuda-los.

Hoje, olhando para trás, tenho muito orgulho e gratidão de ter feito a experiência. Sai de lá uma pessoa com muito mais certezas do que incertezas sobre mim próprio. Fiz amigos para a vida, melhorei muito o meu currículo, criei conexões internacionais que podem recomendar o meu trabalho para futuras oportunidades, vivi algo inesquecível e diverti-me muito a fazer tudo isso.”

Se queres ter uma experiência como a do Manoel, não hesites e realiza um estágio profissional internacional com a AIESEC. Esta oportunidade está à distância de um clique em: aiesec.org/global-talent.

Comentários

comentários