5 anos de Objetivos de Desenvolvimento Sustentável

Estávamos em Setembro de 2015 quando um grupo de cerca de 195 países decidiu juntar-se e ter um impacto no mundo. 195 países deram voz aos sem voz e definiram um conjunto de objetivos voltados para o desenvolvimento sustentável da sociedade. Assim, surgiram os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU para 2030.

Conscientes de que há várias áreas que necessitam de um impacto, de mudanças de mentalidades e da tomada de uma atitude, estes 195 países uniram forças e definiram objetivos voltados para a nossa casa Mãe, para os nossos animais e vida natural e, claro, para nós seres humanos que ainda não aprendemos que somos todos iguais e que todos merecemos as mesmas oportunidades.

Claro que marcar uma reunião, definir 17 Objetivos e dar a missão como concluída de nada nos serve e será apenas mais uma ação para parecer solidário, do que para ser solidário. Foi por isso que, desde então todos remaram nesse barco que está longe de chegar ao porto de destino.

Sendo assim, em que ponto estamos nós? Ainda no porto de origem? Ainda mais longe do nosso destino, do que quando iniciamos a viagem?  Ou, já em alto mar, avançando remada após remada?

Vamos descobrir juntos, pode ser?

Um dos objetivos definidos era “Educação Equalitária” e, neste aspeto, verifica-se uma tendência crescente. Isto porque em 2000 cerca de 26% dos jovens não se encontravam a estudar, enquanto que, em 2018, este número já é ligeiramente mais baixo com uma proporção de 17%. Este cenário, apesar de se encontrar na direção que todos queremos, não está a evoluir da forma que desejariamos com 258 milhões de crianças sem frequentarem a escola em 2018. Perante este cenário de decrescimo lento, perespetiva-se que em 2030 cerca de 200 milhões de crianças cotinuem sem terem acesso a um bem essencial: a educação.

No que se refere à igualdade de género e à idealização de um mundo onde homens e mulheres, finalmente, são vistos como iguais nunca esteve tão perto quanto está no momento. Esta concretização, está longe de acontecer, mas as desigualdades de género têm vindo a diminuir verificando-se um decréscimo dos casamentos infantis e da mutilação genital feminina. Ao mesmo tempo, a representatividade politica das mulheres tem vindo a aumentar, passando de 22,3%, em 2015, para 24,9% em 2020. 

Apesar de tudo isto, as mulheres ainda continuam a ser as principais responsaveis pelas tarefas domésticas e a ter que enfrentar diariamente barreiras legais, sociais e económicas.

Ainda na vertente da diminuição de desigualdes e busca por igualdade, verifica-se que o rendimento de 40% da população com menores rendimentos tem vindo a aumentar a um ritmo mais acelerado do que a média nacional. Ainda estamos longe de alcançar a igualdade, mas um passinho mais perto.

Outro foco é garantir o consumo sustentável. Aqui a caminhada está longe de terminar com um crescimento de 38% do desperdicio eletrónico, acampanhado por uma fraca reciclagem dos mesmos. Os equipamentos que vêm como fim a reciclagem é menos de 20%. Cerca de 30% da nossa produção global é desperdiçada. Todos estes comportamentos que nos afastam, cada vez mais, da nossa meta final são evidencia clara da necessidade de consciecializar o mundo para que as futuras geração tenham um planeta para viver e recursos para sobreviver.

O nosso planeta é, por isso, também alvo de atenção. E como está a nossa Terra? 

A temperatura média global tem vindo a subir e, em 2018, encontrava-se 1º C acima da base pré-industrial. O  investimento em combustivés fósseis continua a ser superior ao investimento em atividades climáticas com uma diferença de 100 milhões.  Contudo, entre os anos de 2015 e 2016 verificou-se um aumento de 17% destes investimentos. Ainda há muito para fazer e, por isso, todos temos que arregaçar as mangas e adotar comportamentos mais sustentáveis e amigos do ambiente.

Estas são apenas algumas das evoluções que se verificaram desde 2015 após 195 países terem tomado uma ação e definido os ODS. Agora é a tua vez de te juntares a esta luta para que os nossos filhos e netos possam viver num mundo mais equalitário, justo, responsável e sustentável. Faz a tua contribuição e consciencializa todos os que te rodeiam, pois a consciencialização é o primeiro passo para a conquista de um mundo melhor.