MIP

É possível ser empreendedor logo no ensino secundário!

Voluntários de todo o mundo desenvolvem projetos sociais com alunos nas escolas secundárias portuguesas. “Grow Them Up” venceu a final da 6ª edição do Make !t Possible, disputada pelos 15 melhores projetos nacionais na Reitoria da NOVA.

O Auditório da Reitoria da Universidade Nova de Lisboa recebeu, no dia 12 de Março, o evento final da mais recente edição do projeto Make !t Possible, da AIESEC. Entre os melhores projetos sociais realizados ao longo das seis semanas anteriores, “Grow Them Up” da Escola Secundária da Ramada, parceira da AIESEC in NOVA, conquistou a vitória. ”Mook”, “Make it Green” e “AcompanhARTE” ocuparam o segundo, o terceiro e o quarto lugar, respetivamente.

O projeto vencedor procura empregar estudantes em microempresas de maneira a conceder-lhes a sua primeira experiência profissional, ajudar estas empresas a crescer e dinamizar o interior português. Desenvolvido por alunos do 11º ano, sob a orientação de dois voluntários estrangeiros, conquistou a oportunidade de ser implementado. Também os demais projetos se focam na resolução de problemas sociais específicos que os alunos, desafiados pela organização, identificaram.

A AIESEC

A AIESEC é reconhecida pela ONU como a maior organização não-governamental de estudantes, e tem por objetivos desenvolver a liderança e proporcionar experiências multiculturais através de estágios profissionais e voluntariado no estrangeiro. Atua sobre várias áreas, figurando o Make !t Possible entre os seus projetos sociais.

Trata-se de um projeto de educação para o empreendedorismo social que pretende envolver os alunos do ensino secundário com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). Reconhecido com o selo +e+i pelo impacto positivo em prol da sociedade portuguesa, desafia os alunos a tomar consciência da realidade em que se encontram inseridos, identificar os principais problemas e propor soluções.

“As funções dos voluntários internacionais nas escolas passaram, numa primeira fase, pela formação dos alunos relativamente à temática dos ODS”, explica Sara Sousa, 19 anos, team leader do Make !t Possible na AIESEC in NOVA. “Seguidamente, construíram-se os projetos com suporte e orientação dos voluntários”, adianta. Após seis semanas, 15 desses projetos foram selecionados para competir nesta fase final pela incubação na Fábrica de Startups, onde teriam a oportunidade de ser implementados.

A mesa do júri foi ocupada por Christina Kronback – representante da Fábrica de Startups, Frederico Cruzeiro Costa, representante da Social Entrepreneurship Agency, Ana Barreiros, representante da Câmara Municipal de Lisboa, e André Narciso – alumnus da AIESEC. Terminado cada pitch de cinco minutos, colocaram-se questões e ofereceu-se feedback aos diferentes grupos.

O resultado final foi anunciado apenas no encerramento do evento. Até lá, os participantes puderam assistir a palestras conduzidas por líderes de opinião e especialistas nos temas em análise, partilhar experiências com os diferentes voluntários, tal como interagir num contacto mais próximo com as empresas parceiras.

“O projeto foi crescendo todas as semanas, conseguimos trocar muitas experiências interessantes com os nossos estagiários do Panamá e da Tunísia”, confessou Nuno Vilaça, membro da equipa vencedora. “Agora, vamos poder pôr o projeto em prática e, conciliando com os estudos, desenvolvê-lo ao máximo.”

Este desfecho culmina com o início do Make !t Possible Summer, que vai envolver em moldes semelhantes as crianças e jovens nos campos de férias e ATLs durante o próximo verão.

 

Iryna Demchyk

Comentários

comentários