A História dos Vencedores do Leadership Tournament

A edição de 2015 do maior torneio universitário de liderança do país, o Leadership Tournament chegou ao fim. Foram onze etapas locais, quase duas centenas de equipas participantes, mas no final só uma pôde ganhar o grande Evento Final, realizado no passado dia 20 de Novembro, no Museu da Eletricidade, em Lisboa. A equipa 4 Marketeiros composta por alunos da licenciatura em Publicidade e Marketing da Escola Superior de Comunicação Social de Lisboa (ESCS) foram os grandes vencedores. Falámos com a Inês Agostinho, uma das integrantes da equipa vencedora sobre o seu percurso ao longo do torneio, a grande vitória e o que os quatro membros levam desta experiência para o seu futuro pessoal e profissional.  

Como se sentem por terem vencido o Leadership Tournament (LT), o maior torneio universitário de liderança do país?

Não podíamos estar mais felizes. Na verdade, acho que nem existem palavras que o descrevam. Decidimos concorrer para o LT com o pensamento de “se não tentarmos, já perdemos”, portanto para nós, alunos de 1º ano, é uma sensação incrível chegar onde chegámos. Participar já era bom, ganhar a fase local já era extraordinário, mas chegar ao Evento Final e vencer… É indescritível!

O que vos levou a inscreverem-se neste evento?

Eu (Inês Agostinho) estava no Facebook e deparei-me com uma publicação relativa ao evento. Comecei a ler e o meu pensamento imediato foi “Isto é brutal, tenho de participar!”. Como sou mais virada para a parte criativa, precisava de mais um criativo e dois estrategas. Lembrei-me imediatamente do João como criativo, do Pedro como estratega e da Helena também mais direcionada para a parte do Marketing. Com a equipa formada, decidimos arriscar. “Quem não arrisca, não petisca” e foi esse o pensamento que levámos até ao fim.

O que é que sentem que aprenderam durante todo o processo (evento na ESCS e evento final)?

Primeiro que tudo, aprendemos o que era um briefing. Tendo em conta que somos caloiros e que estamos na faculdade há sensivelmente 2 meses, nem sequer sabíamos o que era um briefing. Além disso, sinto que para além de experiência, ganhámos bastante “estaleca” para enfrentar qualquer tipo de desafio que nos seja lançado. Aprendemos também a lidar com olhares e comentários menos agradáveis das outras equipas, que mais para o fim, só nos davam ainda mais vontade de arrasar. O LT não promove esse tipo de “sentimentos”, mas a verdade é que, tudo isto, não deixa de ser uma competição. Aprendemos a ser rápidos e eficazes nas nossas ideias e propostas (tendo em conta que só tínhamos dois minutos para apresentar as nossas propostas de resolução do desafio). Mas melhor do que isso, aprendemos a trabalhar em equipa.

Quais foram os maiores desafios que tiveram durante o torneio e como conseguiram ultrapassá-los enquanto equipa?  

O maior desafio talvez tenha sido, o de conjugar muitas ideias criativas numa só. Como eu disse, a equipa está dividida em dois estrategas e dois criativos, mas imaginação é algo que não falta aos quatro. Mas tentámos ir com calma, ouvindo as ideias de todos para depois discutirmos quais as que tinham mais potencial.

Creio que o tempo também foi um dos maiores desafios com que nos deparámos. Nunca tínhamos trabalhado sobre tanta pressão e tivemos de aprender a fazê-lo. Mais para o fim já era algo que controlávamos naturalmente: Primeiro organização e definição daquilo a que tínhamos de responder, depois o brainstorming de ideias com vista à resolução do desafio. De seguida dividíamos a equipa, sendo que a Helena e o Pedro tratavam de toda a parte mais estratégica da ideia, o João e eu da criatividade e desenvolvimento mais aprofundado da mesma. No fim, preparávamos juntos, o guião da apresentação da proposta.

text pic

Sentem que as vossas capacidades de liderança foram desenvolvidas?

Sem dúvida que sim. Não é por acaso que fomos intitulados de “Jovens Lideres do Futuro”.

Qual é na vossa opinião, a maior vantagem para um estudante universitário, de qualquer área de estudos, em participar num torneio como este?

Acho que não há uma grande vantagem, mas sim um conjunto delas: desde experiência, a uma mais-valia para o cv, aprender a trabalhar bem em equipa, a ter boas ideias, a saber destacar-se pela positiva, a fazer uma boa apresentação que saiba cativar o júri em apenas dois minutos, a ser original… Quando me pergunto o contrário, ou seja, se existe alguma desvantagem em participar, a resposta é “Não”. Portanto se não há desvantagens, porque não participar? Só vos vai trazer coisas boas, só vos vai ensinar mais e mais do que aquilo que já sabem. Medo? Vergonha? Quem tem medo e vergonha nunca chega a lado nenhum. É preciso arriscar. Porque um verdadeiro líder arrisca, um líder luta. Portanto, universitários de todo o país e arredores, lutem e participem neste tipo de iniciativas que podem ter a certeza que mesmo que não ganhem, por exemplo, o concurso, ganham muito mais que isso: o saber. E o saber não ocupa lugar!

 

Diogo Oliveira

Digital Marketing Manager

AIESEC Portugal

digitalmarketing@aiesec.pt

 

Comentários

comentários