Posts

Um estágio profissional na China: porquê?

É comum ouvirmos histórias de jovens que realizaram estágios profissionais internacionais, mas a história do Ricardo é muito mais que isso, conta já com três experiências internacionais em países com culturas muito distintas. A China foi um dos destinos escolhidos, e é esse testemunho que o Ricardo partilha connosco.
Read more

Porquê Cabo Verde?

“Muita simpatia, muito calor, muito crioulo e pouco português, muito funaná, kizomba e morna, um coração gigante e uma boa vontade desmedida.” Isto é apenas parte (do muito) que podes esperar de Cabo Verde. Mas por que precisa tanto Cabo Verde de voluntários em projetos sociais e por que deve um jovem português escolher este país como destino para a sua experiência de voluntariado?

Read more

A HISTÓRIA DO PEDRO

Lembro-me quando ainda estava em Lisboa a poucas horas de distância do meu voo para Bogotá, numa tradição um pouco portuguesa, de fazer as malas à ultima da hora. Nessa altura, ainda rodeado de amigos e família que me iam acompanhar até ao aeroporto e com a preocupação de não me esquecer de nada (o que obviamente aconteceu) a minha mente estava ocupada com praticamente tudo menos expectativas para a Colômbia.

Read more

Faz-te ao mundo!

A AIESEC tem o recrutamento aberto para estágios profissionais e de voluntariado Internacionais.

Ao longo dos últimos 60 anos a AIESEC tem enviado centenas de jovens portugueses a terem uma experiência internacional de liderança em ambientes desafiantes, quer em regime de voluntariado e profissional. Este ano a missão da AIESEC Portugal é enviar mais de 600 jovens portugueses a terem uma experiência de liderança num ambiente internacional, quer em regime de voluntariado ou profissional.

Read more

[EN] Why Global Talent is a great opportunity for your company? Interview with MYGON Portugal

It was a birthday of one of the interns. When he entered the office, his colleagues immediately started to wish him all the best. Among smiles and laughs, they continued the next day on their MYGON internship.

The interns come from Spain. The reason why they are now working in MYGON, is because they took part in an internship program called Global Talent. Looking from the distance, it looked like they were really enjoying their experience. But how does it go for the company? Why did MYGON decide to participate in AIESEC’s program? Manuel Lima, Vice President of Sales, is describing his experience with Global Talent.

Read more

Shape Colombia!

Viver na Colômbia deu-me a oportunidade de viver experiências incríveis, de crescer e, principalmente, fez-me abrir os olhos para o que é o mundo real, (…) Shape Colombia foi a melhor decisão que podia tomar no início da minha vida e Colômbia ficará para sempre no meu coração.

Read more

A HISTÓRIA DA CAROLINA

No início deste Verão tomei uma decisão importante, este não seria um Verão como os outros. Queria fazer algo   diferente, algo que me marcasse de uma forma especial, algo  que me permitisse alargar os meus horizontes e   melhorar-­me tanto a nível pessoal como profissional. Queria uma experiência internacional mas mais diferente do que um simples Erasmus na Europa… Queria ir para a América do Sul!    

Eu já conhecia a AIESEC na Lisboa Nova e era a organização perfeita para me ajudar a realizar este sonho. E assim foi, um mês depois de ter tomado a minha decisão já tinha a minha oportunidade encontrada, tinha sido selecionada para um estágio de dois meses em Curitiba, no Sul do Brasil. O estágio era dentro da minha área, em Marketing, e a AIESEC garantia ainda acomodação durante a minha estadia, o que sempre ajudava com os custos.

Receosos, os meus pais lá aceitaram a minha decisão e um mês  depois eu fui sozinha para o Brasil. Durante os primeiros dias era     tudo estranho, apesar de a língua ser a mesma – o que nem sempre parecia verdade, tendo em conta a dificuldade que tinham em perceber o meu português – e a cultura ser bastante semelhante, as ruas eram diferentes, as pessoas eram diferentes, o tempo era       diferente, os hábitos eram diferentes. O que é certo é que rapidamente me adaptei.

A empresa em que estagiei era uma start-­up de coworking , o maior espaço da América Latina, o Nex Coworking. Tinham uma equipa jovIMG_3929em e bastante pequena, cerca de 12 pessoas e foram todos muito receptivos e prestáveis e fizeram com que rapidamente me sentisse parte da equipa. Mostraram-­me o funcionamento geral da empresa em si, por departamento específico o que também foi bom para ter uma visão mais global e integral do funcionamento da mesma.

Em relação às minhas tarefas em concreto, eram muito na base de desenvolvimento de business model, realizaçãoo de   benchmarking competitivo, análise público-­alvo e de respetivos canais e estratégias de comunicação adequados para cada segmento, de cada novo serviço a ser lançado, num total de 5 novos serviços. Desenvolvi ainda um programa de fidelização de clientes.

Durante o meu trabalho, senti todo o apoio e ao mesmo tempo toda   a independência e liberdade para desenvolver as minhas ideias.   Foi uma experiência única, em que tive a oportunidade de estar rodeada de pessoas inspiradoras das mais diversas áreas que, através do networking, da cooperação e da inovação aberta, trabalham o potencial da inteligência coletiva numa nova forma de  trabalhar.

A nível pessoal, a família de acolhimento em que fiquei deixou-­me completamente à vontade e fizeram com que me sentisse em DSC04268 casa. Falámos muito dos nossos hábitos e das diferenças das nossas culturas,  eu cozinhei para eles comida tradicional  portugues, assim como eles também cozinharam comida tradicional brasileira, ensinaram-­me alguma da gíria de Curitiba, mostraram-­me a cidade e filmes brasileiros.

Acima de tudo mostraram como vive uma família brasileira, algo que não teria sido possível num hostel. E se ao início estava apreensiva por não saber como seria viver com uma família que eu não conhecia, hoje sei o quão desnecessária era toda a minha apreensão.

Foi uma das melhores experiências da minha vida e não a trocaria por nada neste mundo, fui sozinha mas ganhei amigos e família para a vida, conheci e integrei-­me numa cultura diferente, noutro continente, o que também me fez crescer e aceitar novas realidades.

Se estão a pensar ter a vossa experiência, eu só posso dizer “arrisquem” que de certeza que não se vão arrepender.

 

“In  the    end,    we    only    regret    the    chances    we    didn’t    take”    

——————-

Carolina Faustino