Os nossos companheiros de 4 patas!

No inicio de 2020 o mundo deparou-se com uma pandemia, cujo fim ainda não conhecemos, e com ela trouxe bastantes incertezas e dúvidas sobre o futuro de todos nós! Mas não foi apenas o nosso futuro que se tornou mais incerto, o dos nossos fieis companheiros de 4 patas também ficou mais nublado.

Com a chegada da pandemia e do confinamento foram várias as pessoas que decidiram adotar um animal de estimação para diminuir a solidão e adquirir um companheiro fiel. Contudo, a chegada do desconfinamento, a incerteza financeira e económica, entre outros fatores, levaram a que vários animais vissem a sua família, o seu companheiro humano, a deixá-lo sozinho e abandonado num canil ou à sua própria sorte nas ruas.

Desde março deste ano vários países, incluindo Portugal, registaram um aumento exponencial dos abandonos de animais e, simultaneamente, a uma diminuição das doações e contributos a canis para estes darem resposta às suas despesas.

Neste cenário, e segundo um estudo realizado pela associação Animalife, existem concelhos em Portugal onde se verificou um aumento de 25% do abandono de animais.

Desde 2014 que os animais de estimação, adquiriram o estatuto de animais de companhia, tornando-os um membro da família, numa perspetiva legal. Passou-se a poder punir o seu agressor com até um ano de prisão. Apesar deste avanço para a vida dos nossos companheiros, apenas 5% das denúncias feitas são levadas a julgamento e a esmagadora maioria dos agressores é condenado apenas ao pagamento de uma multa.

Entre os anos de 2015 e 2018 verificaram-se um total de 4757 denúncias de maus tratos. Por outras palavras, diariamente a PSP e a GNR receberam 3,26 chamadas a reportar maus tratos a animais. Em 2019, o cenário já era mais grave, com 4142 denúncias à GNR, correspondendo a 11,35 chamadas diárias, apenas neste ano. 

Se nos focarmos nos dados conhecidos relativamente ao abandono de animais, verificamos que, em 2015, quase 30 mil animais foram abandonados e recolhidos por canis e outras entidades. Destes, nem metade encontrou uma nova família…

Desde então, tanto o número de animais recolhidos quanto o número de animais adotados têm aumentado, mas o crescimento do primeiro continua a ser superior ao número de adoções.

Ao longo dos anos, muitas associações têm tentado dar voz aos seres de 4 patas, mas a verdade é que esta problemática está longe de ser resolvida. E, adicionalmente, surgem um conjunto de estudos que nos revelam que o abandono e os maus tratos a animais são, também um indicio de coportamentos agressivos que podem acabar por ser dirigidos a outros seres humanos.

Tudo isto, torna bastante evidente a urgência de tomar uma ação. Estes pequenos seres fazem parte das nossas famílias e nunca nos abandonam, então porque motivo nos os abandonamos? Porque motivo deixamos um membro da família para trás?

E tu? Tu que estás a ler este texto e só te questionas sobre o que podes fazer para ajudar, começa por consciencializar os teus amigos e familiares que têm um animal de companhia, ou tencionam adotar um para a responsabilidade que têm para com o membro de 4 patas. Lembra-os que os animais não são um pequeno acessório que fica bem no feed do Instagram ou quando saiem à rua e que podem deitar fora quando se cansam deles. Os animais de companhia também sentem medo, alegria e tristeza. Eles também têm sentimentos e merecem todo o carinho que lhes conseguirmos dar.

Conciencializa todos ao teu redor não só para a responsabilidade de ter um animal de companhia, mas também sobre a forma como devem agir se assistirem ou souberem de um animal que sofra maus tratos. Nestas situações, é importante que se contacte a Autoridade policial da zona ou a linha SOS Ambiente e Território (808 200 520).

Achas que todas estas medidas não são suficientes e é preciso tomar uma ação? Achas que é preciso começar a dar voz aos nossos melhores amigos? A ONU concorda contigo e, por isso, definiu a Vida na Terra como um dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável que quer concretizar até 2030. Para tal, criou o SDG15 – Life on Land.

Como é que podes contribuir? Para além de todas as dicas que te fomos dando ao longo do artigo, ajuda sempre um animal quando o vês abandonado ou a ser maltratado… Se não conseguires ajudar, chama alguém que o possa fazer, mas nunca fiques como mero espectador. Ficar de braços cruzados é compactuar com todos estes comportamentos!
Simultaneamente, podes desenvolver o líder que há em ti através de uma das experiências de voluntariado internacional da AIESEC, enquanto contribuis para o alcance deste e outros SDGs definidos pela ONU. Precisamos de começar a consciencializar as crianças e jovens para a importância de cuidar dos nossos animais de estimação e nunca lhes infligir dor ou abandonar os mesmos.

É altura de agir, dar um passo em frente e lutar para que os melhores amigos do homem deixem de ser abandonados ou maltratados… Se não queres ficar parado, podes descobrir todas as oportunidades de voluntariado da AIESEC em: aiesec.org.

Comentários

comentários